Os caras da Forbes fizeram uma experiência interessante. Eles criaram uma impressão 3D do rosto de um usuário e,em seguida, usaram-na para tentar desbloquear seus dispositivos Android e iOS. O resultado estava de acordo com as expectativas: um dos dois imediatamente baixou os braços, enquanto o outro não foi enganado. Adivinha de quem estamos falando.

aplicativos para iPhone espionam você: veja como bloquear a localização

Mesmo quando você não está usando-os, os aplicativos do iPhone podem ficar de olho em seus movimentos com precisão perturbadora. Veja como proteger sua privacidade.

Há uma razão pela qual dissemos que a Apple estava pelo menos dois anos à frente da concorrência sobre o reconhecimento facial, e agora é aos olhos de todos.

A reprodução 1:1 do rosto de um usuário foi criada no Reino Unido, em um estúdio com mais de 50 câmeras; Para obter a cópia levou 3 dias de impressão tridimensional e uma despesa de 300 libras. Em seguida, o rosto foi usado para tentar desbloquear um LG G7 ThinQ, u nSamsung S9, um Samsung Note 8 e um OnePlus 6. O resultado foi homogêneo em todos:

Se você é um usuário do Android, desviar o olhar da tela. Testamos 4 dos telefones mais vendidos com o sistema operacional do Google e iPhones para testar sua resistência. Fizemos isso com uma cabeça criada na impressão 3D. Todos os Androids se abriram para falsificar. O telefone da Apple, por outro lado, permaneceu impenetrável.

Sabíamos que, em teoria, a implementação da Apple é mais segura do que muitas das contrapartes Android, e agora também temos confirmação prática; há até mesmo telefones Android enganados por uma fotografia trivial bidimensional.

Na parte dianteira do iPhone, entretanto, a segurança é mais robusta porque igualmente inclui um sensor infravermelho da profundidade e uma tecnologia da olho-detecção. O que, naturalmente, não significa que é um sistema absolutamente inviolável: o iPhone X, no passado, também sofreu xisto semelhante; a boa notícia, no entanto, é que ele requer um elenco muito mais sofisticado, e, portanto, muito mais complicado de colocar.

Notícias da rede